Carta Aberta aos Associados - Abradi

Carta Aberta aos Associados

22 de junho de 2022 Imagem destacada padrão para postagens ABRADi

O editor do jornal inglês The Guardian de 1872 a 1929, Charles Prestwich Scott, conhecido como C. P. Scott, é autor da frase que mais se encaixa ao atual momento das discussões na Abradi. “Os comentários são livres, mas os fatos são sagrados”, dizia ele.

Nesse contexto, gostaríamos de separar os fatos dos comentários em relação à última eleição da diretoria da nossa entidade, hoje liderada pela primeira vez na sua história por uma mulher, Carolina Morales.

Como já é de conhecimento público, duas chapas se inscreveram, reforçando o dinamismo da nossa associação. A homologação das chapas estava submetida às regras do Estatuto Nacional e do Regimento Interno da Abradi. Apenas uma delas cumpriu todas as exigências, após uma análise do nosso Conselho Administrativo. Foram 39 dias de trabalho voluntário, considerando a apresentação dos argumentos, réplicas e tréplicas, até a decisão final já conhecida por todos.

Quando se soube que iriam existir duas chapas, ambas equipes investiram dezenas de horas em reuniões e possíveis negociações, a fim de procurar uma solução mais justa e prática para todos. Infelizmente, não houve consenso entre as partes.

Esses são os fatos, e ressaltando o jornalista inglês, eles são sagrados, deixando a liberdade de cada um para elaborar os seus comentários.

A nova diretoria da ABRADi já iniciou a gestão focada em benefício dos associados. Somos uma entidade de alcance nacional que todos ajudaram a construir ao longo dos últimos 15 anos com profissionais dedicados que se voluntariam a melhorar o nosso mercado. A nova Diretoria reflete bem a grandiosidade do nosso país, já que é composta por profissionais de várias regiões do Brasil.

A liderança da presidente Carolina Morales é um marco na nossa trajetória. Ela será a nossa primeira presidente mulher diante de um mundo que discute e se ajusta a uma agenda de inclusão e de igualdade de gênero nas empresas e associações de classe.

Mais detalhes estão nos links abaixo.

https://abradi.com.br/wp-content/uploads/2020/02/abradi-estatuto-da-associacao-brasileira-de-agentes-digitais-15-05-2017.pdf

https://abradi.com.br/wp-content/uploads/2020/02/abradi-regimento-interno-v_final.pdf

https://abradi.com.br/eleicoes-2022-na-abradi-regionais-e-nacional/

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS:

1. Por que a impugnação foi solicitada fora do prazo estipulado?

Resposta: A impugnação foi protocolada depois de um fato novo que aconteceu fora do prazo estipulado. Ou seja, somente após a diligência do advogado com relação às fichas de membros da chapa Nova ABRADI, onde a chapa ABRADi Brasil não concordou com o andamento do processo, considerando que o princípio da boa fé não foi respeitado pela chapa Nova ABRADI, pois os documentos não eram verdadeiros. Assim, a impugnação foi considerada intempestiva. Que é o termo jurídico aplicado a peças processuais que são apresentadas ou protocoladas nos autos fora do prazo estabelecido pela norma positivada. Os prazos variam de acordo com o tipo do trabalho e a esfera de atuação do profissional, e começam a ser contados a partir da juntada da citação nos autos em fomento. Por que o Daltro pôde ser diretor da associação e agora não pode se candidatar pela oposição?

2. Por que o Daltro pôde ser diretor da associação e agora não pode se candidatar pela oposição?

Resposta: Se qualquer candidato não é executivo contratado de uma agência ou não têm uma agência associada, essa gestão cadastral era até então, de responsabilidade da Regional, passando a ser da Nacional nos últimos dois anos. Por isso, no processo eleitoral, pela primeira vez na história, houve uma avaliação cadastral por parte do escritório contratado onde alguns votantes e candidatos foram questionados. Vale ressaltar ainda, que no Parecer Consolidado das eleições disponível no site, há relato e comprovação de fraude. Ou seja, estão descritas e detalhadas todas as irregularidades da Chapa que foi considerada nula em reunião extraordinária da Diretoria Nacional e do Conselho de Administração da ABRADi convocado para deliberação sobre as questões relativas à eleição de 2022.

3. Por que o advogado validou as chapas se tinha alguma questão para invalidar?

Resposta: O escritório de advocacia foi contratado para assessorar o processo e como já dito anteriormente, não tem poderes para “homologar” qualquer candidatura. Isso é prerrogativa da Diretoria Executiva. A assessoria se disponibilizou a instruir o processo, orientar o procedimento eleitoral e construir um manual de campanhas eleitorais. Porém, ao formalizar que as chapas estavam “homologadas”, o jurídico acreditou que o princípio da boa fé estava sendo cumprido pela Chapa Nova ABRADI. Porém, foi pelo fato de não ter sido cumprido esse princípio de boa fé, que houve a impugnação tempestiva.

4. Sobre a resposta ao questionamento no.14 disponibilizado no site sobre a não necessidade de comprovação do vínculo pelo princípio da boa-fé:

Resposta: A boa-fé, mais especificamente dentro da ciência do direito, significa, respeitar não só a legislação aplicável, mas agir conforme padrões sociais e regras de condutas implícitas, manter uma postura coerente e retilínea no decorrer de seus atos de modo a não usurpar direitos alheios. Ou seja, acreditar que o membro da chapa tem uma boa-fé, não significa preencher uma ficha com dados que não são verdadeiros.

5. Sobre o discurso de que a maioria dos associados votaram a favor da mudança

Resposta: Entendemos que a maioria dos associados ainda não se aprofundou no problema exposto. Veja que estamos até agora trabalhando para esclarecer esses pontos, mesmo com todos os documentos disponíveis para consulta. Ou seja, estamos explicando que não se trata da “vontade” da Diretoria ou dos associados, quando algo não segue o estatuto e regimento interno que são documentos reais e fiéis ao bom andamento da associação. Como dito anteriormente nos pronunciamentos oficiais da ABRADI, a Diretoria tem o dever de cumprir as normas constantes no Estatuto Nacional e no Regimento Interno, sob pena de ser responsabilizada pelo seu não cumprimento. Um fato importante acerca da contagem dos votos da eleição e que chama a atenção é que 68% dos votos recebidos pela chapa Nova ABRADi foram originários da regional São Paulo e 82% dos votos recebidos pela chapa ABRADi Brasil foram das demais regionais. Portanto, acreditamos que sim, ainda há um desequilíbrio de forças na associação, onde tende a prevalecer o peso de uma única regional, em comparação com as demais. Além disso, se considerarmos que dos 490 associados, 184 votaram na chapa Nova ABRADi, são 37,5% dos associados e não a maioria, como está sendo relatado.

6. Sobre “queimar” muito tempo e muito dinheiro por uma decisão que não defende e protege a Abradi:

Resposta: É justamente por proteger e defender a ABRADi que todo o processo foi seguido com a legitimidade do estatuto e regimento interno da Associação, pois tal estatuto foi elaborado e aprovado pela Diretoria a qual o Sr Daltro fazia parte e ajudou na elaboração do mesmo.

7. Podemos pedir o dinheiro pago para o advogado de volta? Porque pelo que eu entendi foi erro deles então, não?

Resposta: Não podemos, pois o escopo contratado foi executado e em nenhum momento foi defendido que o investimento estaria atrelado ao resultado das eleições. Esclarecemos também que o jurídico não cometeu nenhum erro, apenas seguiu as determinações do Estatuto Nacional, do Regimento Interno e Normas Eleitorais aprovadas entre ambas as Chapas e Diretoria Nacional.

8. Sobre o entendimento de que os associados não estão sendo respeitados, conforme estatuto:

Resposta: Os instrumentos Estatuto Nacional e Regimento Interno são explícitos em dar poderes à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração eleitos pelos associados. Sendo assim, seus integrantes são eleitos para decidir sobre diversos assuntos, quando necessário, em cumprimento ao Estatuto Nacional e à favor da Associação.

Atenciosamente,

Diretoria Executiva
ABRADi