Webinar da ABRADi debate melhores opções de investimento para sua empresa

16 de dezembro de 2020 F&A 10.12_ sympla_v4

Na última quinta-feira (10/12), em mais um webinar, a ABRADi debateu o atual cenário de fusões e aquisições. O bate-papo foi conduzido pelo presidente da ABRADi Regional Mato Grosso do Sul, Kenneth Corrêa.

Paulo Justino, CEO e founder da FCJ Venture Builder, e Arthur Hadler , associado da Kinea Investimentos, foram os convidados para explicar como ter acesso a um capital de investimento.

Durante a conversa, foram apresentadas duas modalidades de investimentos, venture capital e private equity, para que as agências que queiram acelerar seus processos de crescimento ou construir novos produtos e plataformas de negócio possam avaliar esses investimentos como alternativas. O especialista em venture capital, Paulo Justino, apresentou a modalidade de investimento, na qual os recursos são aplicados em empresas com expectativas de crescimento rápido e rentabilidade alta. Justino explicou, ainda, que o venture capital é um tipo de investimento de alto risco e curtos prazos, voltado para empresas que possuem um grande potencial de crescimento para multiplicar seu valor.

Por outro lado, os investimentos de private equity, especialidade de Arthur Hadler, são feitos de forma privada, em que um investidor aporta seu capital diretamente em empresas com potencial de crescimento a médio e longo prazos, com o intuito de lucrar com uma futura venda. Esse tipo de investimento é mais seguro, no entanto, possui um retorno menor, como explica Hadler. “No private equity, captamos recursos com investidores em veículos de investimento para comprar participação em empresas de capital fechado. Ficamos um longo tempo ajudando a instituição a crescer, entre cinco e seis anos, de forma a auxiliar seu controle financeiro, melhorando sua governança e preparando a para o próximo estágio, que pode ser desde a venda até a fusão com outras.” De acordo com Hadler, os alvos para esse tipo de investimento são empresas com renda a partir de R$ 100 milhões, que performem bem em qualquer cenário econômico.

Ao serem questionados sobre cenário ideal para investir, Justino informou que, mesmo neste momento de crise mundial, houve um aquecimento de fusões e aquisições devido à baixa nas taxas de juros no Brasil. Por outro lado, Hadler explica que, no private equity, por este focar em investimentos de médio e longo prazos e por ter como característica atuar em setores que performam bem em qualquer cenário econômico, como saúde e educação, não sente tanto os impactos das crises. “Nós nos preocupamos com o momento ideal para venda e nem tanto para entrada”, explica o especialista em private equity.

Os investidores também indicaram o setor da comunicação como área potencial para investimentos. Porém, pontuaram a relevância de estar sempre em constante inovação. Justino apontou, ainda, a automação dos processos, utilizando-se tecnologia como um dos processos que podem agregar valor às agências digitais.

Para ficar por dentro do universo de investimentos e entender qual dessas modalidades é a melhor opção para sua empresa, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=Z4CW8Yx9nag&feature=youtu.be e confira o webinar na íntegra.