Storytelling, Marketing e Audiovisual: o encontro perfeito no Marketing de Conteúdo

Por Paulo Centenaro, 7 de agosto de 2019

Por: Maurício Sarmento

Existe um fio condutor entre o storytelling, o marketing e o audiovisual. Com a queda dos modelos tradicionais de comunicação, o marketing digital passou por uma grande transformação. O fruto dessa ebulição é o marketing de conteúdo que conhecemos hoje, com protagonismo das histórias e o conteúdo entregando valor para os usuários.

Para um apaixonado por audiovisual e marketing, foi uma realização vivenciar esse “match” e ver essa transformação acontecer, coincidindo com o convite que recebi da ESPM, há três anos atrás, para criar a disciplina “Criação e Produção de Conteúdo Audiovisual”. Neste ano de 2019, junto com um grande time de profissionais da área, ajudei a escrever e lançar o primeiro Guia de Marketing de Conteúdo da ABRADI. Um presente não só para o mercado, mas também para os Agentes Digitais e estudantes das áreas de Comunicação e Marketing.

Quando falamos de criação de conteúdo, saber contar uma boa história faz toda diferença. Neste contexto, o storytelling se torna uma das principais disciplinas do Marketing de Conteúdo. Uma das melhores formas de atrair e engajar a audiência, enquanto nós orquestramos a mensagem principal.

As marcas já perceberam isso e se utilizam dessas histórias para se relacionar com o seu público, explorar tópicos complexos e encontrar um significado que vai além do preço de seus produtos e serviços. Reduzindo o investimento em mídia, uma vez que uma boa história tem a capacidade de se difundir sozinha, aproveitando o alcance orgânico e engajamento da audiência.

Existem, basicamente, duas maneiras de contar histórias:

1. Através das experiências dos consumidores com a marca.

2. Através de um propósito maior, que reflete o objetivo mais amplo do negócio.

Essas experiências devem ir além da promessa da marca e do produto para os seus clientes. Por exemplo, se considerarmos um lançamento imobiliário, ao invés de mostrar apenas as características do imóvel, que já estão disponíveis no site do empreendimento (implantação, plantas baixas, áreas comuns, etc), devemos explorar as experiências do bairro, tais como gastronomia, mobilidade, lazer, esporte e cultura, no formato de um guia.

Este guia, com vídeos e curadoria do bairro, pode estar disponível em um hotsite (com link para o site do empreendimento) e lading page (para download do guia digital), coletando leads para o time de vendas. Saber contar boas histórias pode ajudar um negócio a se manter conectado com a sua audiência durante todo o calendário editorial, entregando valor para os clientes, ganhando autoridade e posicionando a marca como publisher, não apenas como anunciante.

Como usar o vídeo para educar e atrair audiências

O vídeo marketing também ganhou relevância neste sentido, considerando o cenário atual de acessibilidade a banda de internet, melhores smatphones, redes sociais e evolução das plataformas digitais. Apesar do momento de excesso de informação e lapso de atenção, o vídeo, por ser versátil, memorável e relacionável, se tornou uma ótima ferramenta para atingir o público através de narrativas mais curtas e criativas, educando e entretendo a audiência. Para se ter uma ideia, o conteúdo audiovisual quando publicado em site ou blog, pode aumentar em 150% os resultados nos buscadores e, segundo especialistas, em 2021, o vídeo representará cerca de 80% do tráfego de toda a Internet.

Uma boa estratégia de Vídeo Marketing é sempre publicar o vídeo em uma plataforma (YouTube ou Vimeo), fazendo link para o seu site ou blog, aumentando a relevância nos buscadores e utilizando as redes sociais apenas como isca, convidando a audiência para assistir e “saber mais” no seu canal proprietário.

Outra dica para se produzir bons vídeos é o cuidado com a iluminação, a captação do áudio, o roteiro e os enquadramentos. Apesar das câmeras e smarphones atuais terem boa resolução é justamente nestes quesitos que acontecem os maiores problemas. Utilizar ambientes bem iluminados e microfone externo, pode ajudar bastante na qualidade do produto final.

Dicas de equipamentos para produzir vídeos simples

Para produções mais simples, câmeras compactas (DSLRs e mirrorless) são bem-vindas. Investir em uma lente mais luminosa, além da “lente do kit” da câmera, também é uma boa dica. Uma lente 50mm 1.8 pode ser um bom investimento, produzindo melhores imagens, com menor profundidade de campo e fundo mais desfocado, se diferenciando das imagens produzidas por smartphones.

Na ausência de um bom equipamento, fazer parcerias com produtores pode ser uma boa ideia. Contratando, por exemplo, um pacote de vídeos com experiências ou depoimentos gravados na mesma diária. Otimizando orçamento e produzindo fotos e vídeos para serem utilizados em campanhas e posts ao longo do calendário editorial. Esta pode ser uma boa escolha, considerando o alto investimento em câmera, lentes, microfones e iluminação, além do olhar criativo e domínio de todas as etapas de produção do profissional contratado.

 

Maurício Sarmento é diretor de filmes na Conteúdo – Content House, professor da ESPM, Digital House Brasil e membro do Comitê de Marketing de Conteúdo da ABRADi.